Mundo

Advogado faz denúncia à China por ter vendido órgãos de grupos religiosos menores

Grande parte permanece vivo no momento em que as cirurgias são iniciadas para tirar os órgãos

Numa reunião do Conselho de Direitos Humanos da ONU, nesta terça-feira, dia 1, membros do Tribunal da China resolveram denunciar uma horrível situação que tem ocorrido na China, que é: centenas de milhares de integrantes de uma minoria religiosa foram mortos a fim de terem seus órgãos vendidos.

De acordo com eles, a minoria muçulmana uigure e o grupo religioso Falun Gong são os grupos mais atingidos pelo tráfico de órgãos.

Um advogado de direitos humanos afirma que o governo da China estava removendo corações, rins, pulmões e peles dos grupos religiosos que estavam sendo perseguidos.

“A extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência, incluindo as minorias religiosas do Falun Gong e dos uigures, é cometida há anos em toda a China em uma escala significativa, e continua até hoje. Isso envolve centenas de milhares de vítimas”, declarou Hamid Sabi, advogado do Tribunal da China, numa reunião da ONU.

Para o advogado, a questão é que se trata de um crime contra a humanidade que é equivalente ao genocídio.

“Vítima por vítima e morte por morte, cortar o coração e outros órgãos de pessoas vivas, inocentes, inofensivas e pacíficas constituiu uma das piores atrocidades em massa deste século”, ainda disse Sabi.

“O transplante de órgãos para salvar a vida é um triunfo científico e social. Mas matar o doador é crime”, continuou na denúncia, expondo evidências através de um relatório acerca do assunto que foi divulgado no mês de junho.

Neste documento, foi revelado um “número muito substancial” de vítimas que foram mortas por ordem do governo, pessoas que foram abertas “enquanto ainda vivas” para que seus órgãos fossem retirados e então fossem comercializados.

As regiões do corpo foram usadas dentro de todo um intuito médico, de acordo com o relatório, fazendo citação de tempos de espera muito baixos para transplantes de órgãos nos hospitais da China como evidência da prática.

O advogado concluiu afirmando que é “dever” de organismo internacionais, como a ONU, analisar as conclusões do tribunal “não apenas em relação à possível acusação de genocídio, mas também em relação aos crimes contra a humanidade, que o tribunal não considera ser menos hediondo”.

Etiquetas
Comentários

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of
Botão Voltar ao topo
Fechar