25 C
Palmas
sábado, 16 janeiro, 2021

O que significa honrar a Deus?

Saiba Mais

Cantora gospel morre em altar louvando a Deus com Hino

A notícia da morte da cantora deixou a igreja Assembléia de Deus, pegou todos de surpresa no final do...

Profecias revela algo assustador em 2021, Profeta afirma “Muitos vão morrer de COVID-19”

Mais uma profecia chocou mundo gospel nesta semana. Muitas pessoas nas redes Sociais compartilharam um vídeo de uma profecia...

Pastor evangélico é investigado por abusar de mulher dentro de igreja

O pastor da Igreja Assembléia de Deus em Belém é acusado por abusar sexu@lmente de uma mulher que seria...

Pastor evangélico é acusado de viver triângulo amoroso com esposa e ovelha

Estamos vivendo o fim dos tempos mesmo, desta vez uma história que vai chocar o mundo gospel. O pastor...
Dayana Ribeiro da Silva
Dayana Ribeiro da Silvahttps://www.obuxixogospel.com.br/
Dayana Ribeiro Desde menina sempre foi apaixonada por televisão, noveleira assídua desde as tramas alá Maria do Bairro ou intensas como o furacão Carminha. Formada em Publicidade e Propaganda em 2014. Escreve desde que se conhece por gente.

Publicado em:

Apocalipse 4 apresenta-nos o próprio Deus na glória radiante de seu ser entronizado. Aqueles que crescem em sua consciência de Deus, inevitavelmente, desejam vê-lo com mais clareza. Moisés implorou: “Mostra-me a tua glória” (Êxodo 33:18).

- Advertisement -

Uma maneira de abordar a preeminência de Deus é entender a palavra hebraica para glória. O significado básico da palavra kabod é “pesado”. Deus é importante, um peso pesado, não um peso leve. Deus é infinitamente substancial, o oposto da palha que sopra ao vento.

Apocalipse 4, com sua visão de Deus em sua majestade, destrói qualquer pretensão de religião autodirigida. O fato de as quatro criaturas vivas terem “olhos ao redor” e seis asas cada uma significa que elas estiveram em toda parte e viram tudo.

Sua inteligência sublime concluiu que Deus deve ser o assunto principal de nosso interesse e o único objeto de nossa adoração.

Ver Deus entronizado em glória significa que só podemos seguir os vinte e quatro anciãos caindo de cara no chão, Apocalipse 4:10 diz que lançarmos quaisquer nossas coroas aos pés dele, cantando: “Digno és tu, nosso Senhor e Deus, de receber glória, honra e poder ”(Apocalipse 4:11).

Um segundo insight que ganhamos com essa visão é o anseio correto do coração humano pela glória. Os cristãos às vezes vêem o chamado da Bíblia à humildade em oposição a um desejo saudável de glória.

O homem foi feito para a glória. Esta é a razão pela qual ansiamos até mesmo por uma experiência terrena passageira da glória para a qual fomos feitos. No entanto, a única glória verdadeira é encontrada na pessoa de Deus e em suas obras salvadoras.

Os cristãos não devem apenas repudiar a idolatria, mas também abrir seus corações para a glória de Deus. Esta é a imagem que vemos em Apocalipse 4. Resplandecendo no centro da criação está o esplendor transcendente do Deus glorioso.

Na visão de João, essa majestade cativou os vinte e quatro anciãos e as miríades de anjos que os cercam. A revelação nos traz uma visão exaltada da glória do céu, e empobrecemos a nós mesmos se não refrescarmos freqüentemente nossas almas meditando nos esplendores de nosso Deus.

O terceiro insight de Apocalipse 4 diz respeito à beleza que é parte integrante dessa visão. Observe que as visões desta visão são extraordinariamente belas e, sem dúvida, as vozes dos anjos, junto com as dos vinte e quatro anciãos, superam a beleza de qualquer som ouvido na terra.

Tudo isso lembra os cristãos a valorizar e cultivar a tríade clássica da virtude: o bom, o verdadeiro e o belo.

Os cristãos devem cultivar a beleza verdadeira e divina nas coisas que fazemos e fazemos e comunicar a beleza e o valor das pessoas que foram feitas à imagem de Deus.

Apocalipse 4 nos lembra que somos uma raça criada por Deus para levar a imagem da beleza vista nesta visão: Em nossos corpos, nosso caráter, nossos relacionamentos, nossas ações e, especialmente, nossa adoração.

O que é adoração

Quando pensamos em adoração, os cristãos devem perceber nossa grande necessidade de modelos bíblicos para honrar a Deus. Apocalipse 4 fornece uma visão sobre a adoração a Deus no céu. Seu princípio mais básico é que a adoração é um louvor em resposta à revelação de Deus sobre si mesmo.

A verdadeira adoração cristã tem apenas um público-alvo: o glorioso Deus entronizado no céu. A verdadeira adoração é resumida em Apocalipse 5:13 como sendo dirigida “ao que se assenta no trono e ao Cordeiro”, dando “bênção e honra e glória e poder” ao nosso Deus.

Em segundo lugar, devemos observar que adoração vem de uma palavra inglesa mais antiga, valorização. Adorar a Deus é aclamar o seu valor: Louvamos a Deus porque ele é digno de nossa adoração.

Por isso, vemos nesta visão que Deus é adorado para glória de seus atributos. O Apocalipse destaca três atributos de Deus, que são celebrados na adoração dos querubins: a santidade de Deus, o poder e a eternidade.

A adoração das quatro criaturas vivas destaca o santidade de Deus: “Eles nunca cessam de dizer: ‘Santo, Santo, Santo’” (Apocalipse 4: 8). Na Bíblia, a repetição marca uma ênfase especial e, de todos os atributos de Deus, apenas a santidade recebe repetição tripla.

Santidade é a separação transcendente de Deus acima de toda a criação e é seu atributo preeminente. Jesus se dirigiu a Deus como “Santo Padre” (João 17:11). Jesus ensinou como nossa primeira petição em oração: “Santificado seja o teu nome” em Mateus 6: 9.

Por causa da santidade de Deus, Moisés tirou os sapatos antes da sarça ardente. Devemos da mesma forma adorar o Deus santo com reverência e temor, como ensina Hebreus 12: 28-29.

As criaturas vivas também louvam a Deus poder, chamando-o de “Senhor Deus Todo-Poderoso” (Apocalipse 4: 8). Todo poderoso é a palavra grega pantokrator, um título falsamente empregado pelos Césares. No entanto, só Deus é verdadeiramente onipotente e, portanto, capaz de salvar.

Podemos imaginar como esse louvor ao poder de Deus teria encorajado as igrejas para as quais João estava escrevendo, pois estavam prestes a entrar em um tempo de perseguição e teste.

O terceiro atributo pelo qual Deus é louvado é o seu eternidade: “Quem era e é e há de vir!” (Apocalipse 4: 8). A eternidade de Deus enfatiza seu controle soberano, uma vez que ele está antes e depois de todas as coisas.

Deus é louvado não apenas pelo que é, mas também pelo que faz. Apocalipse 5 irá louvar a Deus por sua obra redentora em Cristo. O capítulo 4 louva a Deus pela glória de seu trabalho como Criador.

Vemos isso na adoração dos vinte e quatro anciãos, representando a igreja redimida em Apocalipse 4:11. Deus fez e agora mantém tudo o que existe, e por isso, ele deve ser louvado com razão.

Quando olhamos para o céu estrelado, vemos uma panóplia de louvor à glória de Deus, assim como o Salmo 8: 1 declara. Entre o hospedeiro estrelado estão galáxias inteiras, brilhando como uma só porque estão muito distantes.

Com a ajuda de telescópios, nossos olhos podem ver milhões e bilhões de estrelas e galáxias. Nossa própria galáxia, a Via Láctea, contém pelo menos duzentos bilhões de estrelas e gira majestosamente no espaço, abrangendo mais de setecentos mil trilhões de milhas.

O Deus que se revela a nós na Bíblia e enviou seu Filho para fazer uma morte expiatória por nossos pecados é o Deus que fez este universo glorioso e o sustenta agora de acordo com sua vontade.

Quando consideramos quão grande é a glória de Deus como Criador, lembramos porque nosso louvor é dado somente a ele. Os cristãos do primeiro século recusaram-se a aclamar César como Deus, sofrendo a morte por sua devoção exclusiva a Cristo como Senhor.

Os cristãos devem se recusar a se curvar diante dos ídolos de nossa época. O Apocalipse sugere que a melhor maneira de nos protegermos da idolatria é nos reunirmos com outros crentes para louvar o Deus Criador santo, todo-poderoso e eterno.

O que os adoradores fazem

Tendo visto o que é a adoração na visão do céu de João, devemos concluir com observações sobre o que os adoradores fazem.

As quatro criaturas vivas e os anciãos entronizados nos mostram três coisas. Primeiro, o exemplo deles nos incentiva a humilde nós mesmos na presença do Deus santo, onipotente e eterno.

Quando Deus é exaltado, o orgulho humano é sempre derrubado, e assim deve ser na adoração. É por isso que, quer sejamos capazes ou não de nos ajoelhar fisicamente na presença de Deus, nossos corações devem estar sempre prostrados diante dele, especialmente na adoração reunida.

A Bíblia diz: “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará” (Tiago 4:10).

Segundo, povo de Deus alegrar em adorá-lo. Essa atitude é incentivada em todos os Salmos. O Salmo 97:12 exorta: “Alegrai-vos no Senhor, ó justos, e dai graças ao seu santo nome!” Podemos inferir alegria em Apocalipse 4 por meio das canções que os adoradores cantavam.

Essas canções são o primeiro de muitos hinos registrados no Apocalipse, todos os quais celebram com alegria a glória da pessoa e das obras de Deus, especialmente quando ele salva seu povo sitiado. O canto congregacional em louvor a Deus deve ser uma de nossas maiores alegrias deste lado do céu.

Finalmente, adoramos a Deus por confessando ele como Salvador e Senhor. Os vinte e quatro anciãos deram sua confissão por “elenco[ing] suas coroas diante do trono, dizendo: ‘Digno és tu, nosso Senhor e Deus’ ”(Apocalipse 4: 10-11).

Eles estavam aclamando sua submissão a Deus como o único verdadeiro Soberano. Eles confessam que qualquer glória própria como povo de Cristo veio de Deus e é apenas para seu louvor.

Como é emocionante para os cristãos perceberem que, pela graça de Deus em Cristo, estamos nesta vida ganhando coroas para lançar aos seus pés, acrescentando o testemunho de nossas vidas ao louvor de toda a criação para sempre.

Para mais leituras:

O que é glória no cristianismo?

O que é uma imagem gravada?

Como somos criados à imagem de Deus?

Quais são as coisas mais importantes que devemos entender sobre a natureza de Deus?

O que significa que Deus é Santo, Santo, Santo?

Qual é o colapso da oração do Senhor?

Qual é o propósito real de se ajoelhar em oração?

Crédito da foto: © Unsplash / Iyan Kurnia


Dave Jenkins é o Diretor Executivo da Servants of Grace Ministries, o Editor Executivo da Revista Teologia para a Vida, e o Host do Equipando você no Grace Podcast e Podcast dos guerreiros da graça. Ele recebeu seu MAR e M.Div. através do Liberty Baptist Theological Seminary. Você pode segui-lo no Twitter em @davejjenkins, encontre-o no Facebook em Dave Jenkins SOG, Instagram, leia mais de seus escritos em Servos da graça, ou assine para receber seu boletim informativo. Quando Dave não está ocupado com o ministério, ele adora passar tempo com sua esposa, Sarah, lendo as últimas notícias de editores cristãos, os Reformadores e os Puritanos, jogando golfe, assistindo filmes, esportes e passando tempo com sua família.

- Advertisement -
- Advertisement -

Últimas

Cantora gospel morre em altar louvando a Deus com Hino

A notícia da morte da cantora deixou a igreja Assembléia de Deus, pegou todos de surpresa no final do...
- Advertisement -

Veja Mais

- Advertisement -