Brasil

Político revela que Lula busca “forças ocultas” para vencer Bolsonaro e é atacado

Ex-presidente está desesperado em busca de apoio em tudo o que é lugar para vencer Bolsonaro

A guerra política no Brasil visando 2022 se intensifica no Brasil. O velho sistema pretende novamente voltar ao Executivo Federal e para isso tem ido atrás de apoio. Foi isso que denunciou o vereador de Belo Horizonte Ciro Pereira (PTB) ao publicar na última terça-feira (24) um post alertando a nação para o que o ex-presidente Lula tem realizado em busca da volta ao poder.

”Engana-se quem pensa que não existe uma guerra espiritual acontecendo. Lula busca as forças ocultas africanas, foi ungido e benzido por várias entidades. Para ele vale tudo, sede de poder. A guerra começou e eu luto pela minha família e pelo futuro da minha pátria”, disse Pereira em sua conta no Instagram.

O vereador refere-se ao momento em que Lula (imagem do post) participou de um encontro com umbandistas. Em um desses o ex-presidiário ganhou até uma imagem do Zé Pilintra.

 

A publicação do vereador logo foi atacada e chamada de preconceituosa por outros vereadores na Câmara Municipal: ”Racismo religioso é o que a gente vê dos bolsonaristas na Câmara. O vereador Ciro declarou guerra às religiões de matriz africana. Grotesco”, disse a vereadora Iza Lourença (Psol).

”Todo repúdio ao ódio deles contra o nosso povo. Viva as culturas de matriz africana! Racistas não passarão”, disse ainda a esquerdista.

A vereadora petista Macaé Evaristo (PT) disse: ‘Basta de racismo religioso. Ser abençoado por pastor pode e por mãe de santo não pode, Ciro? Defendo a laicidade do estado. Religião cada um tem a sua e a gente respeita,” disse.

Alguns falaram em denunciar o pastor apontando crime de racismo, previsto na Lei 7.716/1989, cujo teor implica os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião. Porém, o vereador goza de imunidade parlamentar e isso não deve proceder.

Comentários

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo