Mundo

A maioria dos migrantes que cruzam o Canal da Mancha foge da perseguição

(Foto: Reuters)

A maioria dos migrantes que entram no Reino Unido ilegalmente em pequenos barcos pelo Canal da Mancha fogem da perseguição, de acordo com um novo estudo do Conselho de Refugiados.

O relatório, An Analysis of Channel Crossings & Asylum Outcomes, descobriu que de janeiro de 2020 a maio de 2021, a grande maioria das pessoas (91%) veio de 10 países “onde os abusos dos direitos humanos e a perseguição são comuns”.

Isso inclui Afeganistão, Irã, Síria, Iraque, Sudão, Eritreia e Iêmen.

O relatório foi baseado em dados de liberdade de informação e estatísticas de Home Office. Ele define “o resultado provável” dos pedidos de asilo dos migrantes, com base no que é conhecido como “a taxa de concessão” que permite que as pessoas permaneçam no Reino Unido.

O estudo mostra que, para as pessoas dos 10 principais países de origem que chegam em pequenos barcos, 61% das decisões iniciais tomadas nos 18 meses até junho de 2021 “teriam resultado na concessão de proteção aos refugiados”.

“Isso se compara à taxa de concessão de 52% para decisões tomadas para todas as nacionalidades no mesmo período”, constatou o estudo.

Os sírios foram os mais prováveis ​​de serem aprovados, com uma taxa de concessão de 88%, seguidos por eritreus (84%), sudaneses e iemenitas (70%) e iranianos (67%). Os afegãos ficaram atrás com uma taxa de concessão de 56%.

Enver Solomon, CEO do Refugee Council, disse: “A realidade é que as pessoas que vêm para o Reino Unido em viagens terríveis em pequenos barcos pelo Canal da Mancha o fazem porque estão procurando desesperadamente por segurança depois de fugir da perseguição, do terror e da opressão.

“Suas vidas foram viradas de cabeça para baixo sem culpa própria e eles são explorados por contrabandistas de gente insensível.

“Este governo deve mostrar compaixão ao acolher aqueles que precisam de proteção aos refugiados, em vez de tentar empurrá-los cruelmente de volta para o outro lado do Canal da Mancha ou puni-los com prisão.

“Ao mesmo tempo, deve haver uma expansão ambiciosa de rotas seguras para que as pessoas não tenham que fazer viagens perigosas para chegar à segurança.”

Dayana Ribeiro da Silva

Dayana Ribeiro Desde menina sempre foi apaixonada por televisão, noveleira assídua desde as tramas alá Maria do Bairro ou intensas como o furacão Carminha. Formada em Publicidade e Propaganda em 2014. Escreve desde que se conhece por gente.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo