Após mais de um mês de protestos, marchas, conflitos com a polícia, e campanhas de oração, o presidente Evo Morales deu uma entrevista neste domingo na televisão da Bolívia, onde afirmou: “Para evitar que a direita use o Código para desestabilizar o Estado, decidimos revogar todo o Código Penal”.

Evo Morales enviará o pedido formal à Assembléia Legislativa para suspender completamente o Código de Sistema Penal e evitar que haja mais protestos. Ele afirmou que ouviu “a preocupação das organizações sociais” e decidiu tomar a decisão, “para evitar a confusão e o medo baseado em mentiras nas redes sociais”.



O anúncio de Evo foi feito na véspera do aniversário de 12 anos de seu mandato. Porém, deixou claro que seu desejo é “elaborar outra norma, com o consenso dos setores sociais”.

Nas últimas semanas, grande parte da sociedade boliviana vinha protestando contra as limitações das liberdades individuais, pois o governo de  Morales impunha censura à imprensa e, na prática, criminalizava atividades da igreja como a evangelização.




Massacre em igreja na Bolívia após proibição do evangelho
Massacre em igreja na Bolívia

Nestes quase dois meses após a proibição de Evo Morales, neste ínterim, de acordo com um vídeo que esta sendo veiculado nas redes sociais , uma a igreja foi totalmente destruída deixando pessoas feridas, inclusive uma sem vida, sendo retirado de maca  sem nenhum vestígio de cabeça sobre o pescoço.

A veracidade do vídeo  ainda não foram confirmadas pelas autoridades Bolivianas, mas nos  primeiros dias após o Código ser anunciado, lideranças evangélicas e católicas fizeram muita pressão junto ao público, em um país onde cerca de 90% da população é cristã. Em diversas oportunidades, pastores convocaram os membros das igrejas para jejuns e orações. Agora suas orações estão sendo respondidas.

 Com informações Gospel prime

 

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do "O Buxixo Gospel. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.