Investigações levaram a descoberta de um pacto milionário  entre a cúpula da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e terceiros envolvidos nas denuncias da suposta rede internacional de tráfico de crianças, noticiada na série de reportagens “O Segredo dos Deuses”, da  portuguesa TVI, teria silenciado os envolvidos por 20 anos.

Reportagens da emissora vêm nestes últimos dias revelando, desde a segunda-feira (11), várias denúncias relacionadas ao caso do rapto das crianças portuguesas entregues  a um lar administrado pela Igreja Universal em Portugal, ainda  nos anos 1990.




Segundo  asa investigação realizadas pelas jornalistas Alexandra Borges e Judite França, diversas crianças acolhidas neste lar foram escolhidas por fotos, adotadas por pastores e bispos da IURD posteriormente levadas para fora da país. De acordo a reportagem, tudo teria ocorrido sem o conhecimento e a autorização dos pais biológicos.

Entre os casos mais conhecidos está o de Vera, Luís e Fábio. Os irmãos teriam sido deixados no lar pela mãe biológica, na época em situação de dificuldade, por determinação de uma assistente social, segundo a mulher relatou na entrevista. Com o passar do  tempo, ela teria sido impedida de ver os filhos no lar, quando descobriu que eles foram levados pela filha mais nova e pelo genro de Edir Macedo e sua filha Viviane, para os Estados Unidos. Pelo fato do casal, ter gostado somente  de duas das três crianças,  resolveu separar Vera e Luís do irmão Fábio, que  bispo Romualdo Panceiro acabou adotando e levado trazido para o Brasil.



A outra filha do líder da IURD, Cristiane Cardoso,  teria adotado também uma criança nas mesmas circunstâncias, Filipe,  garoto que foi  separado do irmão, Pedro, no processo de adoção. 

Os dois seriam filhos de uma mulher viciada de drogas , que teria deixado os filhos com a mãe, que era fiel da Igreja Universal.  A avó das crianças, repassou os netos entregando no mesmo lar de adoção administrado pela IURD em Lisboa, de onde também  foram levados para fora do país.




No caso, como Cristiane Cardoso tinha maioridade  para adotar Filipe, e o processo aocorreu em seu nome. Já no caso de Viviane Freitas, como a filha mais nova do bispo não havia idade suficiente para adotar em Portugal nem residência fixa no país, as crianças teriam sido adotadas por uma espécie de “laranja”. Alice Gouveia, apontada na reportagem da TVI como secretária pessoal do bispo Edir Macedo, que teria assinado a documentação como mãe adotiva das três crianças. Ela foi ouvida na reportagem e confirmou a “farsa” montada para enganar as autoridades portuguesas.

A novidade revelada pelo jornal Correio da Manhã revelou nesta quinta-feira (21) é que a filha mais nova de Edir Macedo e a secretária pessoal do bispo assinaram um pacto milionário sobre a suposta farsa das adoções.  A testa de ferro responsável legalmente pelas crianças teria recebido mensalidades, ao longo dos anos, para silenciar sobre os detalhes da entrega de Vera e Luís e sobre o destino de Fábio, o terceiro irmão supostamente rejeitado pelo casal Freitas e entregue ao bispo Romualdo Panceiro. O rapaz teria morrido de overdose em um hotel em Nova Iorque, cerca de dois anos atrás, mais um segredo escondido pela Igreja.

Informações: noticiasaominuto

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do "O Buxixo Gospel. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.