Suzane von Richthofen, futura missionária, que foi condenada a 39 anos de prisão após ser julgada pela morte dos pais, conseguiu parecer favorável para que possa cumprir o restante da pena em liberdade. O pedido foi feito em junho de 2017 pela defesa da detenta e, agora, precisa ser julgado pela Justiça. De acordo com o G1, ainda não há prazo para que isso ocorra. 

Suzane von Richthofen recentemente voltou para a penitenciária depois de passar as festas de fim de ano com amigos, beneficiada com a chamada ¨saidinha¨. Em outra ocasião, Suzane foi para um retiro da igreja Quadrangular, onde estaria dando prosseguimento no s estudo de teologia inciado ainda no presídio, onde afirmou o desejo de ser missionária.
 O bom comportamento da presidiária, e o tempo de pena cumprida, são dois fatores determinante para que a defesa entrasse com recurso que garanta a liberdade da moça em regime aberto.


O exame criminológico, no qual ela foi submetida à avaliação médica, deve ser usado para embasar a defesa de Suzane. Caso o pedido seja aceito, ela ficará em liberdade, devendo apenas comparecer diante de um tribunal em datas pré-estabelecidas. 

Para entrar com o pedido, a Defensoria Pública, responsável pela defesa, argumentou que Suzane já cumpriu o tempo de pena necessário para ter direito à progressão de pena. Além disso, a defesa destaca o “ótimo comportamento carcerário da sentenciada”.

Seguindo o cálculo da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), Suzane von Richthofen teria direito à progressão apenas em 4 de setembro de 2019. No entanto, a defesa pediu o adiantamento por conta do trabalho exercido dentro do presídio – como costureira e, primeiro, como auxiliar de enfermaria e de copa.




A reportagem do G1 entrou em contato com a Defensoria Pública, que não retornou até a publicação desta matéria. 

Já o promotor Paulo de Palma, que atua no caso, respondeu que não poderia comentar, uma vez que o caso está em segredo de Justiça. Esse foi também o argumento usado pela Secretaria da Administração Penitenciária. 

Vale lembrar que a situação atual de Suzane von Richthofen, também foi vivida por Guilherme de Pádua, que depois do assassinato da atris Daniela Peres, o ator após longo período encarcerado , ganhou a liberdade em regime aberto. 5 anos se passaram desde o fato, até o que o ex-ator se tornasse pastor pela igreja Batista Lagoinha.

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do "O Buxixo Gospel. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.