Notícias Gospel

Adélio afirma que vai terminar missão de tirar a vida de Bolsonaro

após o atentado contra a vida de Bolsonaro durante campanha presidencial, Adélio foi considerado inimputável por transtorno mental

 

Adélio Bispo de Oliveira, autor do atentado contra Jair Bolsonaro quando este ainda era candidato a Presidência da República, afirmou que quando sair da prisão vai cumprir sua missão de matar o atual Presidente.

De acordo com o que diz o juiz Bruno Savino, da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora (MG), o ex-presidente da República Michel Temer também está presente na lista de Adélio. Segundo o que relata o criminoso, Temer estaria  participando de um complô maçônico com Bolsonaro para conquistar as riquezas do Brasil.

Adélio permanece  preso em Campo Grande (MS), após o atentado feito contra Bolsonaro com uma facada em 6 de setembro do ano passado. A faca possuía aproximadamente 25 centímetros e perfurou órgãos vitais quase levando o presidente a óbito

As afirmações foram feitas durante uma avaliação psiquiátrica do criminoso, que também disse ter tentado assassinar  Bolsonaro porque se ele fosse eleito “entregaria nossas riquezas ao FMI, aos maçons e à máfia italiana”. Além disso, haveria também uma execução em massa dos “pobres, pretos, índios, quilombolas, homossexuais, só ficando os ricos maçons dominando as riquezas do Brasil”.

Com Isso, o autor do crime convenceu  o Juíz de que que é inimputável (impossível de ser condenado). Isso porque o réu seria incapaz de entender o caráter de crime que cometeu e, portanto, de responder por seus atos por sofrer de um Transtorno Delirante Persistente.

Entretanto, ao longo do período em que Adélio estava sendo investigado e avaliado por especialistas, houve uma médica que discorreu  em laudo que uma simulação por parte dele estivesse atrelada aos possíveis sinais da patologia.

A profissional apontou  as alucinações auditivas em que o autor da facada dizia ouvir a voz de de Deus. Essa voz teria dado a Adélio a missão de Salvar o Brasil Assassinando Bolsonaro.

Todavia, a fala da médica foi refutada por outros médicos e pelo juiz.

“Não se mostra crível que o réu tenha empreendido um complexo ardil que envolvesse a simulação de sintomas que correspondessem ao critério de diagnóstico para o Transtorno Delirante Persistente”, afirmou Savino.

Portanto, em caso de condenação em ação penal, Adélio não ficará em um presídio, mas sim em um manicômio judicial.

 

Comentários

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo