Brasil

Sacerdote afirmou que o “Coisa Ruim” não existe.

E isso causa revolta na instituição dos exorcistas.

Há muitos tabus na igreja católica, uma delas é a figura do diabo e a pregação sobre a sua existência, os padres estão muito divididos ainda acerca de colocar nos sermões ou não o personagem bíblico que foi criado também por Deus.

A Associação Internacional de Exorcistas (AIE) enviou uma nota oficial que declarou que Satanás realmente existe e criticou o argumento de um padre que relativizou a vitalidade do demônio.

Em uma entrevista concedida à revista italiana Tempi, o reverendo padre Arturo Sosa Abascal, falou que o demônio, é o sentimento mal que segundo ele pode ser personificado, e não se trata de um espírito que pode entrar na vida das pessoas e no corpo delas.

“É necessário entender os elementos culturais para se referir a esse personagem. Na linguagem de Santo Inácio, é o espírito maligno que leva você a fazer as coisas que vão contra o espírito de Deus. Existe como mal personificado em várias estruturas, mas não nas pessoas, porque não é uma pessoa, é uma forma de executar o mal”, afirmou o sacerdote.

A AIE, entidade essa que reúne em torno de 350 exorcistas de trinta nações diferentes, afirmou na nota oficial  que as declarações do padre Abascal são “graves” e “desorientadas”, isso porque “a existência real do diabo, como sujeito pessoal que pensa e age e que fez a escolha de se rebelar contra Deus, é uma verdade de fé que sempre fez parte da doutrina cristã”.

O concilio do vaticano II , trouxe algumas reformas para lhe dar com esses assuntos relacionados ao anjo “caído”, até a década de 60 a resistência ao diabo era muito pregada nas igrejas católicas.

Vossa Santidade o Papa Francisco, tem comentado bastante sobre o demônio  em suas pregações. Logo após  a sua eleição ao posto papal, por exemplo, ele falou: “Quando não se confessa Jesus Cristo, confessa-se o mundanismo do diabo, o mundanismo do demônio”.

 

 

 

 

Comentários

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo