Brasil

Médico famoso cristão é demitido de hospital por se recusar a usar pronomes “transgênero”.

O médico está agora processando o governo em um tribunal de trabalho por discriminação com base em sua crença religiosa.

Médico famoso cristão é demitido de hospital por se recusar a usar pronomes “transgênero”.. O inglês David Mackereth, de 56 anos, médico cristão perdeu o emprego em um departamento do governo depois que ele se recusou a se referir a “um homem barbudo de um metro e oitenta” como “madame”.
Ele diz ser demitido como Assessor de Saúde e Incapacidade no centro de avaliação da Fiveways em Birmingham, em maio de 2018, por causa de suas crenças religiosas.

Ele que é pai de quatro filhos, o Dr. Mackereth diz que foi “interrogado” por seu chefe, James Owen: “Se você atende um homem de 1,80 de altura com barba que quer ser tratado como ‘ela’ e ‘senhora’, você o trataria assim?” A resposta do médico foi “não”.
Hoje um evangelista , o Dr. Mackereth, que agora trabalha como médico de emergência em Shropshire, diz que seu contrato foi rescindido por causa de sua recusa em usar pronomes transgêneros .

Ao tribunal ele disse que estava suspenso no mês seguinte após ser “interrogado” por seu chefe, e por se recusar a chamar “homem de barba de um metro e oitenta de altura” pelo gênero feminino.
O médico alega que foi dito a ele que era “extremamente provável” que perderia o emprego, a menos que concordasse em tratar um homem pelo gênero feminino.
Ele argumenta que não foi demitido “por causa de qualquer preocupação real sobre os direitos e sensibilidades dos indivíduos transgêneros, mas por causa da minha recusa em fazer uma promessa ideológica abstrata”.
O médico está agora processando o governo em um tribunal de trabalho por discriminação com base em sua crença religiosa.

Sua demissão aconteceu em 25 de junho de 2018, depois de uma troca de e-mail com o Sr. Owen, em que ele foi instruído a seguir o “processo como discutido em seu treinamento”.
O e-mail dizia: “Se, no entanto, você não quiser fazer isso, respeitaremos sua decisão e seu direito de deixar seu contrato”.

O Dr. Mackereth respondeu: “Eu sou um cristão e em boa consciência não posso fazer o que o Departamento de Trabalho e Pensões (DWP, sigla em ingês) está exigindo de mim.”
Ele insiste que não renunciou à sua posição e é vítima de discriminação direta e assédio.
O Dr. Mackereth em audiência, disse que “o simples fato de um médico poder ser chamado para um interrogatório urgente sobre suas crenças sobre fluidez de gênero é absurdo e muito sinistro, ainda mais se resultar em demissão”.

Comentários

Dayana Ribeiro da Silva

Dayana Ribeiro Desde menina sempre foi apaixonada por televisão, noveleira assídua desde as tramas alá Maria do Bairro ou intensas como o furacão Carminha. Formada em Publicidade e Propaganda em 2014. Escreve desde que se conhece por gente.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Open chat
Envie seu conteúdo e ganhe dinheiro
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do O Buxixo Gospel e ganhe dinheiro.