EvangelismoIgrejaMundoPolêmicas

Deficiente visual é expulsa de parque após falar de Jesus.

Uma deficiente visual foi impedida de ir ao parque e a biblioteca pública em Westerly, por dois anos, por estar falando sobre Jesus as pessoas.

Gail Blair, que tinha 63 anos, quando aconteceu o fato, foi impedida de falar sobre sua fé por funcionários da Associação Memoriais e Bibliotecas, também encarregados da Westerly Library e do Wilcox Park, pois estaria parando os clientes e oferecendo-lhe o evangelho de João em panfletos religiosos.


Advogados representantes de Blair, entraram com uma queixa de discriminação contra a Associação de bibliotecas, alegando ter sido banida “por discriminação ilegal ,por parte da associação, por causa de sua deficiência e suas crenças religiosas”.

Em entrevista a Fox News, um representante da associação declarou que “não se envolve nem tolera nenhuma forma de discriminação”, é que ainda não havia recebido cópia da denúncia, não podendo então comentar o caso.

“A Associação nega veementemente quaisquer alegações de discriminação ou irregularidade e espera receber uma cópia da denúncia para refutar e refutar todas as alegações feitas por Blair”.

O fato ocorreu em julho de 2019, quando Blair estava como voluntária da Escola bíblica de sua igreja, e a polícia veio ao seu encontro no parque e foi informada de teria ultrapassado dos limites e que se ocorresse novamente, poderia ser presa.

“O Departamento de Polícia procurou por todos os incidentes que envolvessem reclamações ou avisos de invasão emitidos a qualquer pessoa por distribuir informações, panfletos, solicitar, vender etc., e não encontrou nada quando a Associação chamou a polícia para me expulsar do parque”, relatou Blair.

“Minha conduta não violou as ‘Regras de Conduta’ publicadas pela Westerly Library e Wilcox Park. Também não violou nenhuma das Diretrizes do parque”.

A senhora conta que, “não pode acessar independentemente outro parque público ou outra biblioteca pública gratuita”.

Também nega ter abordado os clientes do parque.

“Faço o que a Liga do Testamento de Bolso pede. Simplesmente ofereça a eles um evangelho de João, a Palavra de Deus. Sem discussão.”

“Nenhuma entidade governamental deve proibir alguém – muito menos uma mulher gentil e cega – por simplesmente manter conversas sobre sua fé e dar a eles uma cópia do Evangelho de João em um parque público”, disse Jeremy Dys, advogado especial em litígios e comunicações da First Liberty.

Fonte: Guia-me

Etiquetas
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar