Notícias Gospel

Protesto contra a reforma da previdência resulta em morte de mulher de 53 anos.

Edi estava a caminho do trabalho e era mãe de 8 filhos.

Durante manifestações que ocorreram na ultima sexta-feira (14) contra a reforma da previdência, algumas rodovias públicas tiveram suas passagens obstruídas por pedregulhos, pedaços de madeira, pneus, entre outras peças de entulho. Além disso, a maioria dos materiais foram incendiados para impedir por completo a passagem de veículos e também dificultar possíveis tentativas de retirada dos objetos. Desta forma, os manifestantes poderiam protestar sem interrupções contra a reforma da previdência e reivindicar a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Entretanto, o movimento acabou resultando na morte de Edi Guimarães. A senhora tinha 53 anos e estava indo a caminho do trabalho. Ela inalou muita fumaça, pois o ônibus em que ela se encontrava havia ficado preso na pista por causa da barricada de pneus queimados que colocaram no local. Impedido de seguir viagem, o Motorista também não conseguia dar ré no veículo por causa do engarrafamento gerado pelo movimento.

Com isso, dentro de pouco tempo a trabalhadora passou mal. Ela chegou a ser socorrida no local por Policiais Militares e teve duas paradas cardiorrespiratórias a caminho do Hospital Risoleta Neves. Edi chegou a ser sedada e internada no CTI, mas não resistiu e veio a óbito na tarde desta segunda-feira (17).

Segundo o tenente-coronel Bruno Assunção, o onobus em que ela se encontrava estava bem em frente a manifestação e por isso acabou entrando muita fumaça dentro do veículo, fazendo com que alguns passagenros consequentemente passassem mal. Ela estava a caminho da cidade de Belo Hrizonte, onde trabalhava e morava em Santa Luzia, que fica na região metropolitana. Ela cumpria o mesmo trajeto todos os dias para sustentar sua família, pois era mãe de 8 filhos.

Os atos políticos de origem esquerdista, continham entre os manifestantes representantes de partidos como PSOL, PT, PCdoB, entidades sindicais como a CUT, entre outros movimentos de esquerda como o MTST.

Comentários

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo