Brasil

Após confusão, dados sobre as queimadas são corrigidos pela NASA

Após se enganar, a NASA se redimiu, escrevendo um novo estudo sobre as queimadas, e assim confirmando que elas estão acima da média.

A duas semanas que todos os jornais e portais de notícias só falam em uma coisa, as queimadas! Mas uma grande confusão ocorreu acerca do assunto, devido uma pesquisa feita com dados desatualizados e uma má interpretação. Segundo dados do site SUPERINTERESSANTE, o Brasil teve, só esse ano, a ocorrência de mais de 75 mil casos de incêndios reportados.

O maior número de queimadas, um crescimento de 84% em comparação ao mesmo período do ano passado. E cerca de 52% dos casos aconteceu na Amazônia, correspondendo a 40 mil queimadas, de acordo com o Inpe, (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) o qual reúne dados desses eventos a 7 anos.

Os dados são obtidos por satélites, operados pela NASA, ela conta com 3, os quais analisam propriedades das nuvens, mudanças no uso das terras e queimadas. A NASA obteve os dados das queimas por um satélite, que registrou uma enorme fumaça “vinda da Bolívia e de Rondônia”. Que se propagou até chegar em Sã Paulo no dia 19 de agosto, quando ocorreu a “tarde escura” na sua capital.

A NASA reuniu seus dados e fez uma pesquisa que veio a ser publicada junto com as imagens dos satélites, a qual veio repercutir grandemente na rede, causando um grande mover nas mídias. O texto publicado pela NASA continha pequenas imperfeições, quais foram usados para afirmar que a temporada de queimadas no Brasil, que ocorre na estação das secas, estava abaixo do esperado, sendo o menor caso reportado em 15 anos.

Após esta afirmação, as pesquisas sobre as queimadas estiveram em alta. E com isso logo o erro foi encontrado, provando o contrário. Logo a NASA se corrigiu e postou uma edição.

“embora a atividade esteja acima da média no Amazonas e, em menor escala, em Rondônia, está abaixo da média nos estados do Mato Grosso e Pará, segundo a Global Fire Emissions Database, projeto que compila e analisa dados da Nasa” declarou ela. A confusão ocorreu, pois, segundo ela os dados usados foram da Global Fire Emissions Database, que parou de reunir dados desde 2016. E que logo foi corrigido usando então os dados do Inep, que registra dados diários, dando assim melhores registros para fazer a média, e ver se as queimadas estão sobre controle.

Comentários

Dayana Ribeiro da Silva

Dayana Ribeiro Desde menina sempre foi apaixonada por televisão, noveleira assídua desde as tramas alá Maria do Bairro ou intensas como o furacão Carminha. Formada em Publicidade e Propaganda em 2014. Escreve desde que se conhece por gente.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
Open chat
Envie seu conteúdo e ganhe dinheiro
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do O Buxixo Gospel e ganhe dinheiro.