Brasil

Astronauta celebrou santa ceia na sua primeira ida do homem à Lua

Buzz Aldrin foi o segundo homem a pisar na Lua e foi homenageado no filme Toy Story com o personagem Buzz lightyear.

Astronauta celebrou santa ceia na sua primeira ida do homem à Lua. A primeira ida do homem à Lua gerou um agrande euforia para os amantes de astronomia e ciências do mundo todo. as transmissões feitas do espaço foram prestigiadas pelo mundo todo e não se falava em outras coisas nos noticiários da TV. Durante meses, as curiosidades da viagem espacial foram transmitidas e compartilhadas com o público. Entretanto, houve uma parte da chegada do homem em solo lunar que foi omitida naquela época.

tratasse da celebração de uma ceia cristã em agradecimento a Deus pela conquista feita pelo astronauta Buzz Aldrin. No momento a NASA não quis que acontecimento viesse a público para não parecer que a instituição pudesse estar misturando ciência e religião

“A NASA me instruiu a não anunciar a comunhão pela transmissão do rádio no momento em que pousasse na Lua. Isso, eu sabia, poderia acarretar problemas para eles. Numa missão anterior, a Apolo 8, o governo já fora bastante criticado após um dos astronautas ter lido o livro de Gênesis na véspera do Natal de 1968”, disse Aldrin.

“Depois de pousarmos no solo lunar, ainda dentro do módulo, desliguei meu rádio (antes, pedi que cada um que ouvia a transmissão agradecesse, de sua forma particular, pelos sucessos da missão nas horas anteriores). Li, naquele momento, citações da Bíblia. Peguei, de um plástico, o pequeno cálice, e, de um recipiente, o vinho. Com um sexto da gravidade da Terra, o vinho se comportava de maneira diferente. Foi lentamente fazendo círculos dentro da taça. Fiz assim o ritual de comunhão para mim, com Neil me observando”, relatou o astronauta cristão.

Buzz também contou que ele e seu pastor procuraram por várias semanas um tipo de simbologia ou ato que pudesse expressar a fé dele no momento de chegada.

“Eu me perguntava se seria possível tomar a comunhão na Lua, simbolizando o pensamento de que Deus também estava se revelando lá, quando o homem entrou no universo. Porque há muitos de nós no programa da NASA que confiam que o que estamos fazendo é parte do plano eterno de Deus para o homem. Falei com [o pastor] Dean sobre a ideia […] e ele ficou entusiasmado”, contou ele no relato feito em 1970.

“No blecaute da rádio, abri os pequenos pacotes de plástico que continham pão e vinho […] Na Lua, com um sexto da gravidade [existente na Terra], o vinho se enrolou lenta e graciosamente na lateral do cálice […] Foi interessante pensar que o primeiro líquido derramado na lua e o primeiro alimento ali consumido eram elementos de comunhão”, descreveu o astronauta ao relatar o momento.

Confira a íntegra o texto do artigo escrito por Buzz Aldrin em outubro de 1970:

“Por várias semanas antes da decolagem programada da Apollo 11 em julho de 1969, o pastor de nossa igreja, Dean Woodruff, e eu estávamos lutando para encontrar o símbolo certo para o primeiro pouso lunar.

Queríamos expressar nosso sentimento de que o que o homem estava fazendo nessa missão transcendia a eletrônica, os computadores e os foguetes.

Dean fala frequentemente em nossa igreja, Presbiteriana Webster, nos arredores de Houston, sobre os muitos significados do serviço de comunhão. “Um dos principais símbolos”, diz Dean, “é que Deus se revela nos elementos comuns da vida cotidiana “. Tradicionalmente, esses elementos são pão e vinho – alimentos comuns nos dias bíblicos e produtos típicos do trabalho do homem.

Um dia, enquanto eu estava no Cabo Kennedy, trabalhando com as ferramentas sofisticadas do esforço espacial, ocorreu-me que essas ferramentas eram os elementos típicos da vida atual.

Eu me perguntava se seria possível tomar a comunhão na lua, simbolizando o pensamento de que Deus também estava se revelando lá, quando o homem alcançou o universo. Pois há muitos de nós no programa da NASA que confiam que o que estamos fazendo é parte do plano eterno de Deus para o homem .

Falei com Dean sobre a ideia assim que voltei para casa e ele ficou entusiasmado. “Eu poderia carregar o pão em um pacote de plástico, o jeito que o alimento a bordo é enrolado. E o vinho também – haverá apenas gravidade suficiente na lua para o líquido derramar. Eu serei capaz de beber normalmente de um copo.

“Dean, eu me pergunto se você poderia procurar um pequeno cálice que eu pudesse levar comigo vindo da igreja?”. Na semana seguinte, Dean me mostrou uma graciosa taça de prata. Eu o peguei e fiquei satisfeito ao descobrir que era leve o suficiente para levar junto. Cada astronauta tem permissão para alguns itens pessoais em um voo; o cálice de vinho estaria no meu kit de preferência pessoal.

Dean fez planos para dois serviços especiais de comunhão na Igreja Presbiteriana Webster. Uma seria realizada antes de eu sair de Houston para Cabo Kennedy, quando eu me juntaria aos outros membros em um serviço de dedicação.

O segundo aconteceria duas semanas depois, domingo, 20 de julho, quando Neil Armstrong e eu estávamos programados para estar na superfície da lua.

Naquele domingo, a igreja de volta para casa se reunia para a comunhão, enquanto eu me unia a eles o mais próximo possível da mesma hora, comungando dentro do módulo lunar, todos nós significando representar neste pequeno caminho não apenas nossa igreja local, mas também a Igreja. como um todo.

Logo as perguntas surgiram. Seria teologicamente correto um leigo servir-se da comunhão nessas circunstâncias? Dean achava que sim, mas para ter certeza de que decidiu escrever o declarado funcionário da Assembleia Geral da Igreja Presbiteriana e recebeu uma resposta rápida de que isso era permissível.

E quanto devemos falar sobre nossos planos? Eu sou naturalmente bastante reticente, mas por outro lado eu estava ficando cada vez mais convencido de que ter convicções religiosas trazia consigo a responsabilidade de testemunhar para eles.

Finalmente decidimos que não iríamos dizer nada sobre a celebração de comunhão até depois do retorno.

Eu tinha uma pergunta sobre qual passagem das Escrituras usar. Qual leitura melhor captaria o que essa empreitada significava para nós? Pensei muito sobre isso e finalmente subi com João 15:5. Parecia se encaixar perfeitamente. Eu escrevi a passagem em um pedaço de papel para ser levado a bordo da Eagle junto com os elementos de comunhão. Dean leria a mesma passagem no culto completo da congregação que seria realizado em casa naquele mesmo dia.

Então finalmente estávamos prontos. E então o problema apareceu. Era sábado, pouco antes do primeiro dos dois serviços de comunhão. No dia seguinte, Neil Armstrong, Mike Collins e eu partiríamos de Houston para Cabo Kennedy.

Estávamos agendados para uma coletiva de imprensa antes da missão, quando o médico de vôo chegou e preparou precisas precauções contra a contaminação da tripulação. Nós tivemos que usar máscaras estéreis e conversar com os repórteres de dentro de uma partição especial.
O médico não queria arriscar. Um germe frio, um vírus da gripe e toda a missão poderia ter que ser abortada. Senti que precisava contar a ele sobre o grande culto da igreja programado para a manhã seguinte. Quando eu fiz, ele não estava nada feliz.

Liguei para Dean com a notícia no final da noite de sábado. “Não parece muito bom, Dean”.

“Que tal um serviço privado? Sem toda a congregação? [sugeriu o pastor]”. Foi uma possibilidade. Liguei para o médico sobre o serviço menor, e ele concordou, desde que houvesse apenas um punhado de pessoas presentes.

Assim, no dia seguinte, domingo, pouco depois do fim do serviço das 11 horas, minha esposa, Joan, e nosso filho mais velho, Mike (o único dos nossos três filhos que ainda era comunicante), foram à igreja. Lá encontramos Dean, sua esposa, Floy e nosso amigo próximo da família, Tom Manison, o mais velho da igreja e sua esposa.

Nós sete fomos para o santuário agora vazio. Na mesa de comunhão havia dois pães, um por agora e o outro por duas semanas a partir de agora. Ao lado dos dois pães havia dois cálices, um deles o pequeno cálice que a igreja estava me dando para a celebração na Lua.

Nós tomamos a comunhão. No final do culto, Dean arrancou uma parte do segundo pedaço de pão e me entregou junto com o pequeno cálice. Em poucas horas, eu estava a caminho de Cabo Kennedy.

O que aconteceu lá, claro, o mundo inteiro sabe. O foguete de Saturno 5 nos deu um passeio áspero no início, mas o resto da viagem era lisa. No dia do pouso na Lua, acordamos às 05h30, horário de Houston.

Neil e eu nos separamos de Mike Collins no módulo de comando. Nossa descida acionada estava correta e perfeita, exceto por uma dificuldade imprevisível. O sistema de orientação automática teria levado Eagle a uma área com enormes pedras. Neil teve que guiar a Eagle para um terreno mais adequado.

Com apenas alguns segundos de combustível, nós pousamos às 15h30. Agora Neil e eu estávamos sentados dentro de Eagle, enquanto Mike circulava em órbita lunar, invisível no céu negro acima de nós. Daqui a pouco, depois do nosso período de refeição, Neil daria o sinal para descer a escada até a superfície pulverulenta da Lua. Agora era o momento da comunhão.
Então eu tirei os elementos de seus pacotes de vôo. Eu os coloquei e a leitura das Escrituras na pequena mesa em frente ao computador do sistema de orientação de abortar.

Então liguei de volta para Houston. “Houston, esta é a Águia . Este é o LM Pilot falando. Eu gostaria de pedir alguns momentos de silêncio. Eu gostaria de convidar cada pessoa a ouvir, onde e quem quer que seja, para contemplar por um momento os eventos de nas últimas horas e agradecer de maneira individual”.

Para mim, isso significava ter comunhão. No blecaute do rádio, abri os pequenos pacotes de plástico que continham pão e vinho. Eu coloquei o vinho no cálice que a nossa igreja me deu. No um sexto de gravidade da Lua, o vinho se enrolou devagar e graciosamente na lateral do copo. Era interessante pensar que o primeiro líquido derramado na Lua e o primeiro alimento ali consumido eram elementos de comunhão.

E assim, pouco antes de eu participar dos elementos, li as palavras que escolhi para indicar nossa confiança de que, à medida que o homem penetra no espaço, estamos, de fato, agindo em Cristo. Senti especialmente forte minha união com nossa igreja em casa e com a Igreja em toda parte. Eu leio: “Eu sou a videira, vocês são os ramos. Quem permanecer em mim e eu nele, dará muito fruto; pois você não pode fazer nada sem mim”. João 15:5.”

Dayana Ribeiro da Silva

Dayana Ribeiro Desde menina sempre foi apaixonada por televisão, noveleira assídua desde as tramas alá Maria do Bairro ou intensas como o furacão Carminha. Formada em Publicidade e Propaganda em 2014. Escreve desde que se conhece por gente.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Open chat
Envie seu conteúdo agora!
Envie seus flagras e suas denúncias para a redação do O Buxixo Gospel.