Geral

Presidente Jair Bolsonaro revoga decreto que “privatizaria ” SUS.

(Foto: Agência Brasil)
(Foto: Agência Brasil)

O ministro Paulo Guedes reagiu as afirmações de que o governo gostaria de privatizar o SUS(Sistema Único de Saúde) e disse que defendeu um programa de parcerias de investimentos.

Mourão diz que Estados têm recursos para comprar a vacina

Ontem(28), o presidente Jair Bolsonaro revogou o decreto que autorizava estudos para que as unidades básicas de saúde, as UBS, fossem incluídas em concessões para a iniciativa privada.

O decreto publicado na terça-feira incluia a atenção primária, os postos de saúde, no programa de parcerias de investimentos, o PPI.

” Para fins de elaboração de estudos de alternativas de parcerias com a iniciativa privada para a construção, a modernização e a operação de Unidades Básicas de Saúde dos Estados, do Distrito e dos Municípios”.

Paulo Guedes afirma ser hora de acelerar privatizações

Pelo decreto, estados e municípios poderiam aderir ao programa e o setor privado poderia administrar o serviço, como gestão de funcionários, equipamentos e manutenção do prédio.

Ontem, o Ministério da Economia explicou que a decisão de incluir as Unidades Básicas de Saúde no programa de parcerias de investimentos foi feita a pedido do Ministério da Saúde que tem hoje, cerca de 4 mil UBS  com obras inacabadas, onde já foram gastos R$1,7 bilhões de reais do SUS.

Em nota, o Ministério da Economia ainda informou que ” a avaliação conjunta é que é preciso incentivar a participação da iniciativa privada no sistema para elevar a qualidade do serviço prestado ao cidadão,racionalizar custos, introduzir mecanismos de desempenho,novos critérios de escala e redes integradas de atenção à saúde em um novo modelo de atendimento. Os serviços seguirão sendo 100% gratuitos à população”.

Decreto revogado

Mas depois da grande repercussão nas redes sociais, entre parlamentares e setores ligados à saúde, o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e revogou o decreto.

A edição extra do Diário Oficial, foi publicada na noite desta quarta-feira(28). Mesmo tendo revogado a medida, Bolsonaro admitiu retormar o decreto.

” Em havendo entendiemnto futuro dos benefícios propostos pelo decreto o mesmo poderá ser reeditado”, disse  Jair.

Hoje pela manhã, o vice- presidente Hamilton Mourão, reforçou que, o que estava em discussão era um estudo.

Dayana Ribeiro da Silva

Dayana Ribeiro Desde menina sempre foi apaixonada por televisão, noveleira assídua desde as tramas alá Maria do Bairro ou intensas como o furacão Carminha. Formada em Publicidade e Propaganda em 2014. Escreve desde que se conhece por gente.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo